COMO GREEN DAY, FALL OUT BOY & WEEZER SE JUNTARAM PARA O MAIOR EVENTODE ROCK DE 2020

Atualizado: 19 de Set de 2019

Billie Joe, Rivers Cuomo e Pete Wentz conversaram com a Billboard sobre a Hella Mega Tour, a maior turnê de rock dos últimos tempos. Confiram agora, com exclusividade, mais uma tradução da Green Day Brasil por Augusto Reis.


Por Chris Payne | 11 de Setembro de 2019, 10.00 am


Billie Joe Armstrong lembra quando os shows de rock poderiam se transformar em shows de merda.


Às vezes, literalmente: quando o Green Day se apresentou no Woodstock '94, a chuva torrencial transformou o terreno em um poço de lama sem lei, enquanto os fãs jogavam um punhado de grama, lama e Deus sabe o que mais na banda. “'É apenas o começo', pensei, então comecei a jogá-lo de volta”, lembra Armstrong, 47 anos.


Ele está contando a história para duas outras estrelas do rock com muitas histórias próprias, enquanto elas se reúnem em um estúdio ensolarado de Los Angeles, no final de agosto: Rivers Cuomo, da banda Weezer, 49 anos, outro graduando em Rock na turma de 1994, e Pete Wentz, 40, da banda Fall Out Boy, que na época era um metalhead indisciplinado do ensino médio. "Todo mundo ficou tão coberto de lama que não se podia diferenciar entre a multidão e a banda", continua Armstrong. “Um segurança bateu no [baixista] Mike [Dirnt] e quebrou os

dentes. Tivemos que levá-lo a um dentista antes de tocarmos no Lollapalooza.”


Esses três líderes da banda e seus grupos têm um número combinado de sete números 1 na Billboard 200 e 15 números 1 na parada de músicas alternativas da Billboard, o que significa que eles estão longe de se preocupar com projéteis perdidos ou com atendimento odontológico de emergência. (Embora Cuomo tenha tido um encontro com uma enguia elétrica que deixou uma cicatriz durante um mergulho no Weezer Cruise de 2012.) No entanto, em vez de ficarem em suas zonas de conforto, eles estão ansiosos para criar uma experiência ao vivo tão lendária quanto qualquer outra coisa que eles tenham feito. Então, eles estão reunidos aqui hoje para falar sobre o que estão chamando de Hella Mega Tour: uma jornada conjunta - produzida pela Live Nation e apresentada pela Harley-Davidson - que começará na Europa em junho próximo antes de vir para a América do Norte. para uma etapa de apenas 20 estádios em julho.


Nenhuma das bandas já havia participado de uma turnê por todos os estádios antes, muito menos nessa companhia. Em locais icônicos de beisebol, como o Wrigley Field de Chicago e o Fenway Park de Boston, eles fornecem essencialmente um mega mix noturno de três horas da música que dominou as playlists do KROQ Los Angeles para a geração passada - mas com o tipo de estrela potência que poderia muito bem aproximar o rock do centro atual da música pop. "O mundo está [voltado para] hip-hop e Instagram, e acho que isso é contraprogramação para tudo isso", diz Wentz. "Essa é a maior coisa do rock que vai acontecer no próximo verão."


O principal responsável pela operação é a Crush Music, empresa de Nova York e Los Angeles que administra os três atos: Fall Out Boy desde 2002 (a banda ajudou tanto a Crush a crescer, quanto a Crush ajudou a banda), Weezer desde 2016 (o selo da Crush lanlou os quatro últimos álbuns da banda junto com a Atlantic) e Green Day desde 2017 (quando o grupo se separou de seu empresário de 21 anos, Pat Magnarella). “Perguntei ao Green Day quais eram seus objetivos, porque eles já alcançaram quase todos os objetivos de uma banda”, lembra Jonathan Daniel, co-fundador do Crush. "E Mike disse: 'Bem, queremos tocar em estádios.’"


O Green Day já tocou em estádios antes, inclusive em sua última turnê em 2017. Mas o fez com menos frequência desde o American Idiot de 2004 e o 21st Century Breakdown de 2009, álbuns dominantes que levaram a banda a alturas comerciais que seus seguidores (A controversa trilogia de 2012 ¡Uno! ¡Dos! ¡Tré! E o retorno à forma em 2016, Revolution Radio) não se sustentaram. “Tudo realmente se encaixou quando Fall Out Boy e Weezer apareceram”, diz Jenna Adler, que agenda shows do Green Day para a Creative Artists Agency desde 1995. Como Daniel diz: “Você quer torná-lo interessante e relevante para você, não apenas uma volta da vitória.”


O Fall Out Boy, que passou de estrelinhas da explosão de rímel-punk dos anos 2000 a um dos fornecedores de rock jams mais confiáveis desta década, se juntou imediatamente, ansioso para tocar ao lado de dois de seus heróis. Também estavam a bordo imediatamente os nerdcore do Weezer, dos anos 90, que se tornaram improváveis alegradores de multidões nesta década, graças em parte ao cover do ano passado de "Africa" do Toto; gravado em resposta a uma petição viral de fãs, que tornou-se o maior hit do Billboard Hot 100 do grupo em 12 anos.

Juntos, o trio de bandas está oferecendo uma das maiores uniões de bandas disponíveis no mercado. "Você não vê o U2 e o Coldplay em turnê juntos", diz Adler. "Nada é à prova de balas, mas isso é o mais à prova de balas possível que você pode ser."


A participação média combinada de cada uma das turnês mais recentes das bandas é estimada em 27.000 fãs por show, com base nos números relatados à Billboard Boxscore - não muito longe das capacidades dos concertos dos estádios de beisebol, com mais de 30.000, mas sem considerar qualquer junção em suas bases de fãs. Novas músicas devem adocicar o acordo, no entanto. Além das faixas lançadas no dia do anúncio da turnê em setembro, o Green Day e o Weezer têm novos álbuns de estúdio, Father of All... e Van Weezer, que chegarão em 7 de fevereiro e maio, respectivamente . O Fall Out Boy tem um projeto de grandes sucessos no dia 15 de novembro, e mantém uma presença constante no rádio por meio de sucessos que não são de álbuns, como a colaboração ILoveMakonnen e Lil Peep "I've Been Waiting". "É um mais um é igual a cinco" diz Daniel. "Mesmo que um mais um seja igual a dois e meio, acho que ainda somos bons em encher estádios”.


Alinhar esse poder estelar traz desafios únicos. "Todo mundo tem que deixar de lado seu próprio ego, porque está compartilhando essa turnê com outros artistas", diz Bob McLynn, outro co-fundador do Crush, que lida com grande parte do processo da turnê e que Armstrong descreve como Darth Vader. (A sequência do lineup é Weezer, Fall Out Boy e Green Day; The Interrupters fará os shows de abertura.) Mas a Crush sabe o quanto bons clientes podem trabalhar juntos: Panic! At The Disco uniu forças com Weezer em uma turnê conjunta em2016 que diversificou as duas bases de fãs e ajudou a estabelecer algumas bases para seus

recentes sucessos em turnês e paradas de sucesso.


Os estádios também valem a pena e podem ser bem legais. O raro ato que sobe além de arenas e anfiteatros pode alimentar a energia de 40.000 de seus próprios fãs enquanto contorna o caos de festivais. "Nos últimos cinco anos, vimos um crescimento nas turnês nos estádios - muitas delas impulsionadas pela utilização de complexos esportivos", diz Ryan McElrath, vice-presidente sênior da Live Nation na América do Norte, que cita Billy Joel, Coldplay e Dead & Company recentemente como grandes sucessos. “Essas equipes são ótimas parceiras de marketing. Você tem a oportunidade de falar com os fãs que passam por esses locais.”


Além disso, os caras estão ansiosos para descobrir o que podem realizar juntos. "Quando eu tinha 13 anos, o Guns N 'Roses e o Metallica fizeram uma grande turnê em estádios, e meus pais não me deixaram ir", lembra Wentz. "Há uma parte de mim que ainda está presa naquele momento." Ele olha para Armstrong e Cuomo - não exatamente Axl Rose e Lars Ulrich quando se trata de deboches históricos, mas lendas por si só. "Se não houver alguns conflitos nessa turnê, ela será realmente um sucesso?”



Como foram as primeiras conversas sobre o Hella Mega Tour?


Billie Joe Armstrong: Nós conversamos sobre isso há um ano: o Green Day queria fazer uma turnê por estádios. Estávamos pensando em algo como o Monsters of Rock, que teria Van Halen, Metallica, Scorpions, tudo isso. Nós pensávamos: "Quem são esses na nossa época?"

Rivers Cuomo: A primeira vez que ouvi falar algo a respeito foi um e-mail de Jonathan Daniel com o pôster original da Monsters of Rock, [perguntando]: “E aí, topa?”

Pete Wentz: Para nós, foi como um gênio dizendo: "Você faz uma turnê em estádios com duas bandas que foram seus heróis na sua infância". Você se pergunta quais são os outros dois desejos.

Armstrong: Este é o mais animado que eu já estive em um longo tempo. Especialmente com todas as [novas músicas]. É o maior evento de rock que acontecerá por mais de um ano.


O que torna os shows do estádio únicos?


Wentz: é a maior versão do seu programa, para a maioria das pessoas.

Cuomo: eu tenho ido a shows em estádios recentemente, pois sei que tenho um monte por vir. Uma coisa que me surpreendeu é a importância de suas expressões faciais. Você pensa que é um pontinho, mas há seu rosto nessa tela gigantesca de 36 metros. Eu vi PSY [cantor do Gangnam Style] na Coréia e, cara, ele levantou uma sobrancelha e 50.000 pessoas ficaram loucas.

Wentz: Você está tocando com muitos fãs casuais. Quando tocávamos anfiteatros com Wiz Khalifa em 2015, lembro-me de pessoas andando com nachos. Eles estão aqui porque é isso que acontece no sábado à noite. Talvez eles conheçam uma de nossas músicas. De alguma forma, você precisa alcançar essa pessoa.


No Coachella deste ano, Weezer foi uma das poucas bandas de rock da programação e um dos poucos artistas veteranos em geral. Como foi isso?


Cuomo: Já era hora! É o show que todo mundo quer tocar e todos os anos aguardamos o convite. O rock é tão bom ao vivo. Eu escuto todos os tipos de música, mas quando se trata de um grande show, nada supera os humanos tocando instrumentos e cantando.

Wentz: Tem um cara que vai a minha academia - ele é basicamente um cara do Instagram, e eu não acho que ele realmente se importe com música. Mas ele voltou do Coachella e disse: "Weezer tem tantos hits!"

Armstrong: Eu fico pensando na quantidade de singles de sucesso que serão tocados no Hella Mega. Será o melhor set de DJ de todos os tempos, por várias horas. E, esperançosamente, teremos um palco lateral ou algo no estacionamento, onde bandas jovens também podem detonar.


Além desses hits, você tem projetos futuros. Rivers, você está preparando o próximo álbum de Weezer, Van Weezer.


Armstrong: Você está chamando seu álbum de Van Weezer?

Cuomo: Sim!

Armstrong: Isso é tão foda.

Cuomo: é uma mistura saudável do Blue Album e guitarra shreddage, riffs de metal dos anos 80 - nosso lado divertido e extrovertido. Nós nos sentimos confortáveis em realmente fazer isso porque, ao mesmo tempo, estamos fazendo outro álbum [para 2020] chamado Okay Human, que até agora não possui guitarras. É tudo baseado em piano e orquestrado - as cordas foram gravadas na Abbey Road. É muito introvertido e peculiar.



Billie, o que os fãs podem esperar do Father of All ...?


Armstrong: É cheio de energia - 10 músicas em 26 minutos. Queríamos criar um ritmo de dança com espaço entre a bateria e os vocais [inspirados] pela maneira como Kendrick Lamar faz as coisas ou a música antiga da Motown, onde é guiada pelo ritmo. Percebi que odeio músicas longas, qualquer coisa alémde dois minutos e meio. Tive dpeficit de atenção a minha vida toda, apesar de ter escrito coisas como a porra de "Jesus of Suburbia" [um som épico de nove minutos do American Idiot].


Comentários políticos têm sido uma parte importante do trabalho do Green Day. Isso foi considerado quando um ano eleitoral se aproximava?


Armstrong: Talvez indiretamente. Não consigo pensar em nada menos inspirador do que tentar escrever sobre Donald Trump. Me dá nojo. Todo mundo sabe como me sinto sobre essas coisas. Gosto de sentir algum senso de alegria, vivendo através do caos de nossa era.


Fall Out Boy tem planos para um novo álbum de estúdio?


Wentz: Eu sempre tenho idéias que estou enviando para o [vocalista-guitarrista] Patrick [Stump], mas estamos muito longe disso. Também terminamos o contrato [com a Island Records].


Na era do streaming, como vocês estão habituados com esse formato de álbum?


Wentz: Temos pés nos dois mundos. Ainda há uma parte significativa de nossa base de fãs que deseja comprar um álbum físico.

Armstrong: Estou realmente empolgado que este seja o último álbum do nosso contrato de gravação, então agora poderemos lançar singles e EPs ou o que quisermos. Você não fica preso em algum ciclo old-school.


Esta turnê é um momento de círculo completo para Green Day e Weezer, que lançaram seus álbuns inovadores em 1994. O que vocês pensavam um do outro na época?


Cuomo: Eu estava com ciúmes. Foi o filho do nosso gerente que produziu Dookie, certo?

Armstrong: Sim, era o filho de Bob [Cavallo], Rob.

Cuomo: Então nosso gerente estava nos mostrando [o vídeo “Longview”] como, “Essa outra banda vai destruir o mundo”. Eles estão rasgando móveis, e eu fico tipo, “Droga, isso é tão legal! Então tocamos com vocês em 94 ou 95 em Nova York. Estávamos no auge do ciclo do Blue Album. Lembro que você pediu para a multidão cuspir. Havia milhares de caras cuspindo esses enormes catarros, e você os pegava no ar e os engolia. Eu fiquei tipo, "Ele é o melhor fontman de todos os tempos".

Armstrong: Eu sempre admirei as composições dele [Cuomo]. Eu penso nele como o Brian Wilson da nossa geração.


Quando Fall Out Boy ficou grande, o que você achou deles?


Cuomo: "Sugar, We’re Going Down" está no modo mixolidiano, e eu sempre fui alérgico a esse modo, então não entendi essa música. Eu achava que Patrick era incrível. Então ouvi "Uma Thurman". É um gancho incrível após um gancho incrível, e ainda é difícil identificar o que é o refrão ou o que é o verso. É tão criativo e misterioso.

Armstrong: Fiquei emocionado quando eles nos levaram ao Hall da Fama do Rock & Roll. Eu senti que eles eram espíritos gentis na maneira como criaram a cultura em torno da banda para torná-la divertida para os fãs.


Todas as três bandas vêm de um começo ruim. Isso o prepara para dividir o palco com outros grandes atos?


Armstrong: É tudo sobre comunidade. Eu costumava pensar em como era quando os Beatles, os Rolling Stones e o The Who saíam juntos. Eu sempre tive uma visão romântica disso.

Wentz: É o mesmo que quando você está em uma banda com outras três pessoas - sempre que você colabora com algo que é maior que você, há compromissos.

Cuomo: O Lollapalooza começou no ano anterior à formação do Weezer e nós íamos todos os anos. Tornou-se esse cenário itinerante, a quintessência do ethos alternativo da época. O todo era muito maior que a soma das partes. Infelizmente, não tenho um pingo de Perry Farrell [cofundador do Lollapalooza] em mim, mas sempre o admirei como o anfitrião final de um evento de rock.


Quando bandas veteranas viajam juntas, há uma tendência de rotulá-las como apenas atos de nostalgia. Como você evita encontrar esse caminho?


Armstrong: Não pare de escrever música. Há um pouco de nostalgia que estará lá. Mesmo escrevendo músicas para Kerplunk ou Dookie, eu estava pensando: "Eu só quero tocar essas músicas quando tiver 40 anos". E acho que cheguei lá.

Cuomo: Eu não quero fazer o mesmo álbum repetidamente. Os primeiros álbuns de Weezer foram muito influentes na geração atual de produtores. Eles pensam: "Vamos fazer outro Blue Album ou Pinkerton". Você precisa encontrar alguém que queira tentar algo diferente.

Wentz: Torna-se nostálgico quando você para de apostar no seu futuro.


Este artigo foi publicado originalmente na edição de 14 de setembro da Billboard.



0 visualização

ACOMPANHE PELO INSTAGRAM

© 2019 por Green Day Brasil. Todos os direitos reservados.

LOGO-BOLINHA-BRANCO.png