ACOMPANHE PELO INSTAGRAM

© 2019 por Green Day Brasil. Todos os direitos reservados.

LOGO-BOLINHA-BRANCO.png

CONFIRA A ENTREVISTA DE BILLIE JOE E BILLIE EILISH PARA A ROLLING STONE

Recentemente Billie Joe Armstrong, vocalista do Green Day, e a jovem cantora Billie Eilish se reuniram com o pessoal da revista rolling Stone para uma entrevista sobre as impressões que um tem do outro.


A Green Day Brasil traz com exclusividade a matéria completa traduzida. Confiram abaixo:


Tradução: Leonardo Reis

Revisão: Maicon Cássio Riediger


A estrela pop adolescente pergunta a seu herói sobre o início do Green Day,

sobre se manter são na indústria e aquela vez que ele brigou com um cara na platéia


Billie Joe Armstrong parece chocado quando Billie Eilish diz a ele sua música favorita do Green Day. Não é um sucesso, é 'All by Myself', a faixa acústica oculta do Dookie, de 1994.


"Oh, esse é o Tré Cool!", diz Armstrong, esclarecendo que o baterista da banda canta a música. "Eu sei que é!", diz Eilish. Armstrong acrescenta: "Essa é uma musiquinha sacana.


Embora Dookie tenha saído sete anos antes de Eilish nascer, você pode ver por que ela ama isso. Seus temas - tédio, ansiedade, insegurança - são aqueles que ela leva a extremos distorcidos em seu próprio trabalho transgressor: " When We All Fall Asleep, Where Do We Go? Eilish, 17 anos, ouve o Green Day desde os nove. Seu irmão mais velho e colaborador musical, Finneas O'Connell, era um fã tão grande que, quando adolescente, ele imitou tudo sobre Armstrong, até a "pequena gravata desfeita e o lápis preto nos olhos". "Ele era basicamente uma cópia mal feita de você", diz Eilish. "Bem", diz Armstrong, rindo, "ele é um upgrade agora".


Os dois estão em Los Angeles na parte traseira do Ford Falcon fabricado em 1963 de Armstrong. Ele comprou o carro por US $ 1.000 no Craigslist, reconstruiu o motor e o trouxe de sua casa em Newport Beach para a sessão de fotos de hoje.


"É fodão", diz Eilish, que acabou de comprar seu primeiro carro, um Dodge Challenger preto ("meu dragão bebê"). Animado por Eilish querer sentar com ele, ele veio com uma caixa de camisas de mecânico inscritas "Billie" para ela. Armstrong, 47 anos, está animado para sair depois de um ano no estúdio, fazendo o 13º álbum do Green Day, Father of All Motherfuckers, que os incorporou ao soul, New Wave e R&B vintage em seu som. A banda acaba de anunciar uma turnê em estádios, no verão de 2020 em parceria com Weezer e Fall Out Boy, enquanto

Eilish se prepara para uma tour nos EUA em março. Embora ela e Armstrong tenham muito em comum, às vezes a diferença de gerações se torna clara quando estão juntos. Antes da sessão de fotos, Armstrong olha para o espelho de um estilista e diz: "Minhas sobrancelhas estão manchadas." Eilish ri. "Manchadas?" Ela diz, "estão velozes!" Brincando com os termos em inglês Fleck (mancha) e fleek (veloz).



ARMSTRONG: Eu sei que isso soa [estranho], mas eu sempre estiver perto de músicas que soam como liberdade. E é isso que recebo da sua música. É como uma pessoa sincera que se expressa e incorpora novos sons. Algumas delas me parecem jazz, se é legal dizer?


EILISH: Sim!


ARMSTRONG: Mas as letras também são muito reais. Isso é importante quando você está cercado por coisas que parecem sintéticas e não muito reais.


EILISH: Obrigado. Fiquei surpreso que as pessoas gostem da minha música. Porque

existe um mundo que não gosta de nada, músicas que realmente não fazem nada. Lembro-me de ter conversado com minha mãe sobre "Enterrar um amigo". Nós pensávamos: "Ninguém vai se importar, porque as letras são 'Eu quero terminar comigo' '". E realmente, sinceramente, não achei que alguém se importaria. . É por isso que todo esse rolê tem sido tão estranho.


ARMSTRONG: Essa música, você está falando sobre a morte. Isso é o mais real

possível. Isso é real, real. Quando eu escrevia música quando eu era muito jovem, era sempre importante para mim sentir que estou escrevendo músicas que posso cantar 20 anos depois. Uma música como "Basket Case", é sobre perder a cabeça. Conforme você envelhece, torna-se cada vez mais real. E é isso que cria longevidade.


EILISH: Você tentou fazer isso? Porque é tão genuíno, o que você fez.


ARMSTRONG: Vimos tantas tendências diferentes entrar e sair. É difícil, porque essa é a cenoura dourada que as pessoas balançam na sua frente: "Quero parecer outra pessoa para que eu possa permanecer relevante?" A todo custo, era "não". Mesmo que seja tentador se 'vender', você tem que continuar sendo real. Quando se trata disso, tenho que acordar e me olhar todas as manhãs e respeitar o que faço. E não amo tudo o que já fiz.


Em 1994, "Dookie" vendeu 10 milhões de cópias. O que você lembra daquele tempo em sua vida?


ARMSTRONG: Putz! Eu tinha apenas 22 anos. Tive um filho ao mesmo tempo e estava casado. Então foi um ano louco. Lembro-me de estar muito assustado. Eu estava tocando um tipo de música que nunca tinha estado nesse tipo de escala antes. Mas o que eu realmente queria fazer era continuar trabalhando e continuar escrevendo músicas. Eu nunca quis sentir como se estivesse aproveitando a situação. Eu realmente não parei e cheirei as rosas. Mais tarde, eu fiquei tipo, “Eu me diverti o suficiente? Foi divertido? ”Porque a sensação de quando você se torna popular como músico, isso nunca acontece duas vezes. Depois disso, você deve

continuar criando coisas novas para manter as coisas interessantes em sua vida.


Foto por Brad Ogbonna para a Rolling Stone

EILISH: Você gostou?


ARMSTRONG: Nem sempre. Eu estava meio que perdido no mar. Há elevações extremas, e você está tocando para um novo público realmente empolgado em te ouvir. Mas acho que o que era realmente importante para mim era ser real. Acho que me preocupei demais com isso, na parte em que você está pensando: "Eu preciso ficar enraizado a todo custo". Às vezes, eu ficava muito tímido com isso. E o disco depois disso, Insomniac, foi realmente um disco sombrio. Eu estava bem entorpecido com tudo.


EILISH: [meu próximo álbum] me assombra. Houve um período em que eu fiquei tipo,

“Eu gosto de música?” Eu senti demais a turnê. E não quero dizer os shows. Os shows são sempre a minha parte favorita. Mas era apenas viajar e ficar sozinho o tempo todo, em um ônibus frio na Europa, comida horrível e, quando você volta, todo mundo se afasta de você. Essa última turnê que fiz foi a primeira que eu curti. Eu sinto que tenho essa coisa incrível que agora eu realmente vejo.


ARMSTRONG: Sim, você sai em turnê, sai por um ano e as pessoas se casam, as

coisas mudam. Você precisa ter boas pessoas ao seu redor e boas distrações para mantê-lo são.


EILISH: Ei, eu nem sei como perguntar isso, mas o que te fez ter vontade de mostrar a bunda para a platéia ou chutar as pessoas na cabeça e essas coisas?


ARMSTRONG: Oh, Jesus, chutar a cabeça das pessoas? Eu chutei alguém na cabeça?


EILISH: Há um vídeo que é a parada mais foda que eu já vi. Havia alguém na multidão fazendo alguma coisa, e você apenas pulou na pessoa na multidão. Essa foi a coisa mais foda e mais gangster. Tipo, o que fez você ser loucão?


ARMSTRONG: Eu acho que alguém estava ficando agressivo, e então começamos a gritar um com o outro. E então eu estava literalmente brigando com alguém na multidão. Eu não recomendaria. Por favor, não faça isso.


EILISH: Eu não vou, mas é da hora que você fez isso. Além disso, não tenho o

mesmo público. É um tipo muito diferente de público.


ARMSTRONG: Eu vi o seu show. É a mesma energia. Foi um show tão bom. Todo mundo estava cantando junto; era como ir a um jogo de futebol na Inglaterra. Mas eles estavam cantando coisas sombrias. Era quase como estar em uma catedral.


EILISH: Nunca estive tão atenta durante um show do que quando soube que Billie Joe Armstrong estava no meio da multidão. Estou tão feliz que você veio a esse e não um outro show de merda qualquer.


ARMSTRONG: Você tem shows ruins?


EILISH: Eu acho que os shows ainda são ruins...


ARMSTRONG: Está tudo bem.


EILISH: É apenas meu cérebro estúpido que decide: "Oh, esse show é péssimo".


ARMSTRONG: Quando você toca tantos shows, isso se torna parte do seu dia. Você acorda e está em um novo local. Ter uma noite de folga para um show é basicamente como ter um dia de folga. Alguns dias você fica mais constrangido. Outros dias, você está andando pela estrada.


EILISH: Billie, como você aprendeu a lidar com as pressões das turnês?


ARMSTRONG: Para mim, é aprender o que gratidão significa para você. Minha vida

definitivamente poderia ter ido em uma direção diferente. Estou feliz que as pessoas apareçam. Agora, se eu tenho um show ruim, eu meio que não ligo. As coisas devem ser bagunçadas. A vida é bagunçada. Eu poderia cantar mal uma noite. Minha guitarra vai quebrar. Mike vai me irritar. Vou incomodar o Mike. Tré vai jogar uma baqueta em mim. Mas essa é a parte do que me levou ao punk, porque é tudo uma grande imperfeição. É como pegar o lixo e torná-lo bonito. Tudo bem ser feio. Gostei muito do fato de você ter dito aos seus fãs quando vi o seu show. Você disse algo sobre seus fãs não serem todos perfeitos.


EILISH: Eu disse a eles: "Tudo bem que vocês sejam todos feios".


ARMSTRONG: Foi isso que você disse?


EILISH: Não. Só estou zoando com você.


ARMSTRONG: Você disse algo sobre como "você está no lugar certo se está louco".

Penso muito nisso, porque é assim que muitas pessoas chegam em casa. Uma música como "Wish You Were Gay", é uma música foda, mas acho que salva vidas.


EILISH: Não acredito que estou na sala com o cara que era meu papel de parede.


ARMSTRONG: Eu era seu papel de parede?


EILISH: Sim, na tela de bloqueio do meu telefone.


ARMSTRONG: Oh, esse papel de parede. Impressionante!


Vocês dois foram apresentados à música através de seus irmãos. O que estava tocando em casa?


EILISH: Crescemos em tudo. Eu recebi todas as minhas músicas de meus pais e meu irmão. Ele variava de Beatles e Green Day e My Chemical Romance a Sarah McLachlan, Peggy Lee e Frank Sinatra.


ARMSTRONG: Quando você foi apresentada ao Hip-Hop?


EILISH: Foi quando eu tinha 11 ou 12 anos. Lembro de descobrir Tyler, the Creator e

apenas sentir: "Uau, é isso que eu precisava ter como parte de mim."


ARMSTRONG: Eu acho ótimo, porque com todas essas influências, é como se você fizesse parte de uma geração em que a música se torna, tipo, fluida por gênero.


EILISH: Oh, eu não suporto isso!


ARMSTRONG: Não suporta o quê?


EILISH: Gêneros!


ARMSTRONG: Eu pensei que você quis dizer "gênero fluido". Como: "O que você

disse foi besteira!"


EILISH: Aposto que era difícil estar em um mundo onde eram apenas gêneros. No

momento, parece que não há limite para o gênero em que você pode se encaixar. Ainda há um pouco de barreira, mas acho que quando as pessoas tentavam ser diferentes de todo o resto, havia uma linha. Mas as pessoas pensavam: "Espere, gostamos de todo o resto!"


ARMSTRONG: Isso é bom. As coisas acontecem tão rapidamente agora. É como se as pessoas passassem por um ciclo de música como se fosse uma porra de página do Instagram, onde você apenas fica sentado e folheia fotos o tempo todo. Eu acho que é uma nova fronteira para o [Green Day], o que é realmente divertido. Não teremos um contrato com uma gravadora, o que é incrível. Sou capaz de expressar o que sinto a qualquer momento. Eu fiz o disco da Longshot e pude lançar coisas no SoundCloud. Portanto, não importa se você está em uma banda de punk rock ou em um grupo pop ou hip-hop. Não importa mais.


EILISH: Onde você encontrou o garoto no vídeo "Jesus of Suburbia"?


ARMSTRONG: Oh, ele [Lou Taylor Pucci] era ator em um filme, Thumbsucker, essa

coisinha independente de arte. Sam Bayer, o diretor, o pegou.


Que conselho você daria ao seu eu mais jovem?


ARMSTRONG: Eu realmente não tenho nenhum conselho, porque quando eu era tão

jovem, eu não ouvia ninguém.


EILISH: Eu realmente não acredito em conselhos. Às vezes, quando recebo conselhos, faço o contrário. É assim que eu tenho sido a minha vida inteira. Ninguém nunca passou exatamente pelo que você está passando. [Billie Joe] é a única pessoa que vai viver o que tem. Então ninguém pode saber, exceto esse cara, e o fato de ele ainda está saudável, ainda ser lindo, ainda ser ele mesmo, tendo passado por toda essa merda? É tipo, eu não faço ideia.



232 visualizações