GREEN DAY É INTRODUZIDO AO HALL DA FAMA DO ROCK & ROLL E ENTRA PARA HISTÓRIA

Atualizado: 18 de Abr de 2019

Antes de iniciarmos nossa resenha sobre a histórica noite do dia 18 de Abril, gostaríamos primeiramente agradecer vocês nossos seguidores e fãs de Green Day, que assim como nós e que fazem da Green Day Brasil ser o que ela é hoje. Pode parecer pouco, mas hoje somos mais de 9 mil pessoas. E nesta última noite, mesmo não estando fisicamente presentes em Cleveland, local da cerimônia, pudemos sentir na pele a emoção de cada acontecimento juntamente com vocês e essa sensação é indescritível. Cada vez mais sentimos prazer em fazer o que fazemos, vocês são demais!


Agora, sem mais delongas apresentamos nossa resenha oficial da 30ª edição do Hall da Fama do Rock & Roll:


“Eu quero ter uma banda onde eu possa tocar Rock n’ Roll. Nós vamos começar com 15 anos. E depois vamos crescer mais e mais. Com 20 anos, nós vamos ter amplificadores enormes e guitarras. Com 29 anos nós vamos estar bem grandes. Vamos tocar pra um monte de gente. E vamos ter uma banda gigante, que pode ser bem barulhenta” (dever de casa escrito por Billie Joe quando ele tinha apenas 9 anos).

E quem diria, Billie, que depois dos 40 você e sua banda estariam onde estão, nem na sua mais inocência de criança poderia imaginar que chegariam tão longe. Ontem dia 18 de abril de 2015, o Green Day escreveu mais um importante capítulo em sua história. A banda agora oficialmente faz parte do Hall da fama do Rock n Roll mundial. Para entrar nesse seleto grupo do rock a banda necessitava que seu 1º álbum tivesse 25 anos de lançamento – 1.000 Hours, 1º EP da banda lançado em 1989 já tem isso tudo – e ser votada por críticos de música. Eles conseguiram e, enfim foram nomeados ao Hall.



Logo no tapete vermelho por onde passam os artistas, a banda já era muito esperada por fãs que foram a loucura com a passagem do trio. Eles retribuíram o carinho indo ao encontro daqueles que os mantém em atividade até hoje. O evento contou com presença de nomes como Joan Jett, Dave Grohl, Paul McCartney, Ringo Starr, Miley Cyrus entre outros.


Joan Jett & the Blackhearts se apresentaram no início com sua famosa canção Bad Reputation, em seguida Dave Grohl se juntou para tocarem juntos Cherry Bomb. Tommy James e Miley Cyrus também se juntaram a eles no palco para todos juntos tocarem Crimson & Clover. Miley Cyrus inclusive foi quem fez o discurso de indução para Joan Jett, e Miley sendo Miley disse que adoraria fazer sexo com Joan.


Outras induções que também ocorreram no evento foram: Paul McCartney que induziu seu antigo companheiro de banda Ringo Starr, Stevie Wonder foi quem induziu Bill Withers, Patti Smith induzindo Lou Reed, Peter Wolf foi o responsável pela indução de Paul Butterfield Blues Band, Stevie Ray Vaughan & Double Trouble foi induzido por John Mayer e Steve Cropper induzindo os 5 Royales.


Mas para nós, o grande momento da noite foi a indução do Green Day.


Patrick Stump do Fall Out Boy, disse em seu discurso de indução que:


“Todas as grandes bandas devem se alimentar na força do coletivo e que todos os três são essenciais para a banda, individual e coletivamente”. Patrick disse também que “o Green Day abriu as portas para nós, e que todas as bandas que tiveram sucesso e tocaram nas rádios, passaram pela porta aberta por eles”.

Depois do discurso do Fall Out Boy, o Green Day finalmente subiu ao palco. Cada um fez o seu discurso sendo bem emotivos, mas sem deixar o humor de lado.



O primeiro a discursar foi Tré Cool. Como sempre brincalhão não deixou as ironias de lado dizendo “Eles não deixam bateristas usarem teleprompters, então eu escrevi isso daqui às antigas, numa porra de uma máquina de escrever”. Mais sério depois, ele agradeceu a família e amigos, e encerrou: “Eu devo muito aos meus bateristas favoritos: Ringo Starr, Keith Moon, John Bonham, Mitch Mitchell, Charlie Watts, Buddy Rich, John Wright do No Means No, Alex Van Halen, Dave Mello, Aaron Elliott, Al Schvitz, e um agradecimento especial para o meu bom amigo e extraordinário baterista John Kiffmeyer, que está logo ali. E claro à Idiot Nation do Green Day, obrigado, nós amamos vocês.”


Mike Dirnt chegou também brincando e agradecendo especialmente a Ford por ter feito a Ford Econoline, que em suas palavras, é a melhor van para uma tour que uma banda poderia pedir. E seguiu agradecendo, como de costume, a família: “Para minha incrível esposa, Brittney, uma mãe maravilhosa. Você venceu o câncer ano passado de forma corajosa. Obrigado para minhas crianças, Estelle, minha filhinha, meu filho Brixton em casa e minha filha Ryan”. E terminou: “Para todos os nossos fãs e a Nação Green Day, isso é muito mais sobre vocês do que sobre mim e eu estou muito orgulhoso de compartilhar essa vida na Terra com vocês. Por último, mas não menos importante: quero agradecer aos dois irmãos que estão do meu lado aqui no palco. Acreditem em mim, são muitos anos para conseguir contar. Eu amo muito vocês, vejo todos nos ensaios da banda.”


Havia chegado a hora de Billie Joe se pronunciar. Ele estava visivelmente emocionado mais que seus outros dois companheiros estavam, assim, ele começou: “Eu estou sem palavras agora. A gratidão que eu singo agora é esmagadora, e eu realmente não queria me preparar pra algo desse tipo, eu não quis. Eu realmente não pude escrever um discurso então vou inventar um da minha cabeça com algumas observações.” Agradecendo a sua esposa pelo apoio dado, a sua mãe também por ter apoiado desde criança, Armstrong quase chegou as lágrimas de fato, mas seguiu firme sem se esquecer dos fãs. Olhando para alguns de seus ídolos como Patt Smith e Paul McCartney que estavam presentes, ele disse que toda sua coleção de álbuns estava sentada ali de frente a ele. Ele ainda prosseguiu citando Butch Vig, por ajuda-los a produzir um álbum (21st Century Breakdown) mas, sobretudo, a Rob Cavallo por produzir todos os outros, ao empresário Pat Magnarella: “Você é um bravo homem, é nosso empresário. Eu quero me desculpar pelos quartos de hotel. Eu quero me desculpar pelas baterias do Tré pegando fogo. Eu quero agradecer pela reabilitação! E obrigado por realizar todas aquelas conversas que não éramos capazes de fazer. Muito obrigado. Eu te amo.”



Ao se referir sobre Tré Cool, brincou: “ele é o baterista mais perigoso do mundo”. Billie agradeceu a Mike por sua amizade, e disse que ele é sua alma gêmea musical e que o ama. Tré Cool também agradeceu a John Kiffmeyer (Al Sobrante) e a Larry Livermore que deu a ele o apelido de Tré Cool, que de início ele relutou para aceitar mas que pegou e está até hoje.


Por fim, chegou a hora da lendária casa de shows Gilman Street: Nós viemos deste lugar chamado Gilman Street. É um clube em Berkeley. Nós somos tão sortudos por ter tido a oportunidade de tocar lá pois é um lugar para todas as idades e sem fins lucrativos. É um lugar maravilhoso. E que cena maravilhosa. E finalmente acabou dizendo: “Eu sempre amei o rock & roll. Sempre. Desde que abri meus olhos e respirei pela primeira vez, tornei-me um fã. E é com esta única coisa que eu vou encerrar: eu amo rock & roll, e o amo para o resto da minha vida”.


Logo após o discurso, os três se juntaram a banda e apresentaram três dos seus maiores sucessos, começando com a explosiva American Idiot, passando por When I Come Around e encerrando com a, mais clássica do que nunca, Basket Case, levando o público ao delírio, inclusive Paul McCartney e sua esposa, que não paravam de dançar.





E ainda quando todos pensaram que havia terminado, a banda retornou com Paul McCartney e Ringo Starr, embalando a música Boys dos The Beatles, definitivamente encerrando a grande noite de apresentações.


Sem dúvidas, emoções e reconhecimento marcaram o histórico dia 18 de Abril de 2015 para sempre em nossas memórias, e para a mais nova banda integrante do Hall da Fama do Rock & Roll. Damos os nossos devidos parabéns ao Green Day.

Billie, Mike e Tré vocês merecem!



104 visualizações

ACOMPANHE PELO INSTAGRAM

© 2019 por Green Day Brasil. Todos os direitos reservados.

LOGO-BOLINHA-BRANCO.png